sábado, 7 de março de 2015

“Assassino do Zodíaco”: um dos maiores mistérios insolutos da contemporaneidade...

O chamado “Assassino do Zodíaco” foi um norte-americano, assassino em série, que atuou no norte do estado da Califórnia durante dez meses no final da década de 1960, causando enorme horror na sociedade daquela região, naquela época. É um dos mistérios ainda insulúveis pela polícia porque sua identidade permanece desconhecida. O “Zodíaco” colocou seu nome em uma série de cartas ameaçadoras que enviou à imprensa até 1974. Em suas cartas incluiu quatro criptogramas, dos quais três ainda não foram decifrados – há até “clubes” de pessoas (detetives amadores) nos Estados Unidos que tentam decifrar esses criptogramas.

(Abaixo, o retrato falado do assassino, feito por duas pessoas, em 1968)


O “Assassino do Zodíaco” matou sete vítimas reconhecidas em Benicia, Vallejo, Lago Berryessa e São Francisco entre dezembro de 1968 e outubro de 1969. Quatro homens e três mulheres entre 16 e 29 anos foram os alvos do assassino. Outras pessoas foram consideradas possíveis vítimas. Com a falta de precisão no número de vítimas, a incapacidade de decifrar suas cartas criptografadas e a falha na busca de suspeitos, o caso pode ser considerado como um crime perfeito.

Por conta destes potenciais de falta de precisão do número de vítimas totais, a desconexão com seu sistema de criptografar algumas cartas enviadas à polícia e falha na busca dos suspeitos, muitos sociólogos, antropólogos e criminalistas dizem que o “Zodíaco” se tornou uma figura pública (fizeram até filme sobre o caso) não somente por ser um serial-killer, mas também por ser o único crime perfeito da história.

Em abril de 2004, o Departamento de Polícia de São Francisco marcou o caso como inativo, mas o reabriu após março de 2007. O caso está aberto até hoje em outras jurisdições. Em agosto de 2008, um homem de Sacramento disse que tinha evidências que apontava seu padrasto sendo o assassino. Um capuz preto, uma faca com sangue, escritos, e rolos de filme fotográfico foram examinados pelo FBI. Entretanto, a investigação está parada, devido à falta de provas.


Vítimas confirmadas do criminoso...
Apresentamos a lista das vítimas confirmadas do “Assassino do Zodíaco” em ordem alfabética, e não em ordem de assassinato:

Betty Lou Jensen, 16 anos
Bryan Calvin Hartnell, 20 anos
Cecilia Ann Shepard, 22 anos
Darlene Elizabeth Ferrin, 22 anos
David Arthur Faraday, 17 anos
Michael Renault Mageau, 19 anos
Paul Lee Stine, 29 anos

Outras possíveis vítimas do serial-killer “Zodíaco”...
No dia 20 de dezembro de 1968, mais de dois meses depois de a primeira vítima do assassino, ele entra em ação novamente atacando David Arthur Faraday, de 17 anos, e Betty Lou Jesen, de 16, em uma localização próxima ao Lago Herman, chamado “Lover’s Lane”. Cerca de três semanas antes desse encontro, Betty disse ter tido a sensação de estava sendo observada por alguma pessoa na escola, podendo citar também o episódio que sua mãe achou o portão que dava de encontro para a janela da menina aberto mais de uma vez; coisas estranhas, mas nada de muito preocupante para a família.

Voltando à noite do crime, cerca de quatro testemunhas viram o casal no carro. Eles tinham trancado as portas e reclinado os bancos. Duas das testemunhas que eram caçadores afirmam terem visto o que parecia ser uma Valiant azul seguindo o casal, o provável Valiant azul parou junto ao carro do casal quando eles já estavam perto de sair e pediu para eles saírem do carro, estando com as portas do carro trancadas; se negaram, então o homem corpulento que saíra do carro sacou uma arma da jaqueta e estourou o vidro traseiro e outra janela traseira com tiros.

Betty, apavorada, correu e sem tempo de reação David recebeu um tiro no seu ouvido esquerdo horizontalmente arrancado parte dele. Logo depois, o homem atirou nas costas de Betty cinco vezes, que ainda conseguiu dar alguns passos, mas acabou por tombar a nove metros do carro, David ainda estava vivo. Logo depois, Stella Borges ligou para uma ambulância e pediu socorro medico imediato, Betty já estava morta e David morreu no hospital enquanto recebia socorro.


O possível assassino pode ser...
Como dito anteriormente, há vários clubes que tentam identificar as cartas decodificadas do “Assassino do Zodíaco”, sendo que das três criptografadas, somente uma conseguiu ser “traduzida” pela polícia de São Francisco. O trabalho destes clubes de detetives amadores é impressionante, e o trabalho deles chegou a ser citado em pelo menos três livros sobre este serial-killer que teria cometido o crime perfeito da história humana, passando até “Jack Estripador” em sua fama e historicidade.

Entretanto, de acordo com a maior parte dos clubes amadores, Earl Van Best Jr. seria o “Assassino do Zodíaco”. Se o leitor reparar a foto dele no fichamento policial (imagem abaixo) (ele chegou a ser preso, mas liberado por falta de provas na época do ocorrido), ele se parece muito com o retrato falado oficial que apareceu em todos os jornais e tevês dos Estados Unidos no final dos anos 60 e início da década de 1970.


Para muitos detetives amadores, pesquisadores, policiais, delegados e promotores, o homem acima é, mesmo, o “Zodíaco”, mas ele conseguiu escapar por causa de uma polícia ineficiente em meio ao caos. Earl morreu na década de 1980 e o seu filho, em depoimento em um livro, confirma a história de que seu pai era o assassino monstruoso que assustou a sociedade do norte da Califórnia entre 1968 e 1969.