quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

A história do Jack o’Lantern, a abóbora mais famosa do Halloween...

Quem conhece o mínimo de cultura e folclore dos Estados Unidos, sabe muito bem que o Halloween, ou Dia das Bruxas, é uma data muito importante por lá. Há várias abóboras com caras monstruosas enfeitando os jardins, e elas são conhecidas popularmente por vários nomes: Jack o’Lantern, Stingy Jack, Jack Smith ou Drunk Jack. No post de hoje vamos conhecer um pouco sobre a história deste interessante personagem.


Como diz a lenda, há vários séculos, perambulava entre as ruas de cidades e vilas na Irlanda um bêbado conhecido como Jack Smith. Jack era conhecido em toda a parte como um embusteiro, manipulador e outras péssimas qualidades. Em uma noite fatídica, o diabo ouviu sobre as maldades de Jack. Insatisfeito (e com inveja) dos rumores, o diabo foi até a Irlanda para descobrir por si mesmo se Jack merecia ou não ficar vivo.

Típico de Jack, ele estava bêbado e vagando pelos campos à noite, quando ele se deparou com um corpo em seu caminho. O corpo tinha uma careta estranha em seu rosto, e era o diabo. Jack percebeu na hora que este seria o seu fim; o diabo tinha finalmente chegado para recolher sua alma malévola. Jack fez um último pedido: pediu ao demônio que o deixasse beber antes de ele partir para o inferno. Não encontrando nenhum motivo para não consentir o pedido, o diabo levou Jack ao bar local e lhe forneceu muitas bebidas alcoólicas. Após a saciar sua sede de álcool, Jack pergunta se o diabo poderia pagar a conta do bar. Então, convenceu-o a se transformas em uma moeda de prata para que pudesse pagar a conta. Astutamente, Jack colocou a moeda (na verdade o demônio) em seu bolso, que continha também um crucifixo. A presença do crucifixo impediu que o diabo fugisse de sua forma. Coagido, o demônio teve que aceitar a exigência de Jack: em troca da liberdade do diabo, ele só poderia ter a alma de Jack em 10 anos.


Dez anos depois da data em que Jack enganou o diabo, ele se viu novamente na presença do demônio. Mesmo com o acordo de antes, Jack consentiu que era a sua hora de ir para o inferno para sempre. Com o diabo preparado para levá-lo ao submundo, Jack pergunta se ele poderia comer uma maçã para alimentar sua barriga faminta. Tolamente, o diabo mais uma vez atendeu a esse pedido, e então subiu nos galhos de uma macieira nas proximidades. Jack, muito esperto, colocou em torno da base da árvore vários crucifixos. O diabo, frustrado com o fato de que ele foi aprisionado novamente, exigiu a sua libertação. Assim como Jack fez antes, ele fez uma exigência: que sua alma nunca seria tomada pelo demônio. O diabo concordou e foi libertado.


Eventualmente, a vida adulterada e instável teve seus efeitos sobre Jack, pois morreu do jeito que viveu. Porém, logo após a sua morte, ele se deparou diante das portas de São Pedro. Entretanto, como a vida de Jack fora simplesmente uma bebedeira infindável, ele não foi aceito no céu. Jack, triste, foi aos portões do inferno e pediu para entrar no submundo. O diabo, cumprindo sua obrigação com Jack, não poderia ter sua alma. Para assombrar os outros, o demônio deu a Jack uma lanterna feita com nabo oco e carvão, e marcou-lhe como um habitante do submundo. Daquele dia em diante, até a eternidade, Jack está condenado a vagar no mundo entre o bem e o mal, com apenas a lanterna do diabo para iluminar seu caminho.