sábado, 20 de setembro de 2014

Teorias conspiratórias sobre o assassinato do presidente Kennedy: fato ou farsa?!

Existem várias teorias sobre o assassinato do presidente dos Estados Unidos, John F. Kennedy. Essas teorias conspiratórias surgiram logo depois o ocorrido em Dallas, em 22 de novembro de 1963, e continuam surgindo até os dias de hoje, trazendo lendas urbanas e folclores modernos à cultura estadunidense. Um dos maiores problemas é que quanto mais se tenta aprofundar no caso, mais mergulhamos em informações falsas ou pelo menos duvidosas. Muitas dessas teorias dizem que foi a própria CIA ou o FBI que mataram Kennedy, outras apontam a KGB soviética ou então até a máfia italiana enraizada nos EUA. Hoje vamos debater um pouco estes pontos.

ATENÇÃO! O POST DE HOJE TEM ALGUMAS FOTOS CHOCANTES QUE PODEM IMPRESSIONAR O LEITOR!

1. Em 1964, a Comissão Warren concluiu que não havia evidências “persuasivas” que indicavam que Lee Harvey Oswald estava participando de uma conspiração para assassinar o presidente. Quase que imediatamente, críticos começaram a questionar essas conclusões;

2. Em 1967, a polícia de Nova Órleans prendeu o empresário Clay Shaw pela acusação de fazer parte de uma forte conspiração para matar Kennedy e sua família. A polícia encontra estranhos indícios de ligações entre Shaw e Oswald, o que acende ainda mais a teoria conspiratória do fato. Shaw foi absolvido por falta de provas e de legalidade no processo;

3. Em 1979, outra comissão política foi instalada para investigar as mortes de Kennedy e de Martin Luther King Jr. Depois de mais 20 testemunhas ouvidas, a comissão de deputados voltou a concluir que Lee Oswald estava agindo sozinho sem ajuda de nenhum grupo quando matou o presidente. Entretanto, outros deputados lançaram a teoria de que poderia haver um segundo atirador, e este fora o culpado pelo assassinato do presidente;

4. Muitas das teorias conspiratórias sobre a morte de Kennedy ganharam mais força depois de 1991, com o clássico “JFK”, filme de Oliver Stone que alimenta várias histórias conspiracionistas dos anos 60 e 70;

5. Em 2003, a rede de televisão norte-americana ABC fez uma pesquisa que resultou: 71% dos americanos acreditam piamente que houve um forte complô ainda desconhecido e escondido pela CIA e pelo FBI para assassinar o presidente Kennedy;


6. Uma teoria não comprovada diz que o chofer já saberia que Kennedy seria assassinado por um atirador. De acordo com essa teoria, Lee Oswald teria acertado a garganta do presidente e o chofer teria terminado o serviço dando o tiro na cabeça de JFK;

7. Várias testemunhas que estavam assistindo ao evento em que passava o presidente Kennedy afirmam que ouviram três disparos de tiro, mas Lee Oswald só deu dois tiros de acordo com testemunhas que estavam no mesmo prédio que ele;

8. Quem estava no carro junto da família Kennedy afirmou ao FBI, logo depois do ocorrido, que todos os disparos vieram da mesma direção onde se encontrava Lee Oswald, o que derruba as teorias de conspiração que falam da culpa do chofer ou da participação de outra pessoa no ocorrido fatídico;

9. De todas as testemunhas ouvidas durante o processo judicial, 99 acreditaram que os disparos vieram da mesma direção de Oswald e somente cinco falaram de disparos vindos de outros lugares ao mesmo tempo. Foram somente esses cinco testemunhos capazes de alimentar uma teoria de conspiração existente até os dias de hoje;

10. O que alimenta muito das teorias de conspiração é que logo depois da apreensão de Lee Oswald com seu fuzil, a arma estava fria (mesmo depois de supostamente ter atirado de três a seis tiros) e não foram encontrados restos de pólvora nas mãos do acusado, o que alimenta muito dessa teoria sobre o assassinato do presidente;


11. A Comissão Warren, mediante testemunhos, determinou que somente três disparos foram dados: uma passou direto pelo carro, outra acertou Kennedy e a última passou perto do governador do Texas, John Connally. Entretanto, Connally foi ferido várias vezes, o que faz entender que foram mais de três disparos, como a população ouviu cinco tiros;

12. Uma teoria conspiratória conhecida nos Estados Unidos como “a bala mágica” diz que houve um segundo atirador além de Oswald. De acordo com a autópsia do corpo de Kennedy, o tiro que o acertou não deveria ter vindo do alto de um prédio como diz o documento oficial, mas sim ter vindo da altura do chão;

13. Nellie Connally estava sentada no carro presidencial ao lado de seu marido, o governador do Texas. Em um livro publicado por ela mesma, ela afirma que a bala que feriu o governador texano não veio da direção onde estava Lee Oswald;

14. O que alimenta mais a teoria da conspiração sobre um segundo atirador é que Kennedy foi atingido por trás da sua cabeça, enquanto a posição de Lee Oswald era a parte da frente do carro com o presidente. Isso dá a entender que Oswald foi o que podemos chamar “boi de piranha” de uma trama muito mais elaborada;

15. Vários especialistas em balística têm sido ouvidos durante as últimas décadas e as respostas têm sido tão diferentes quanto as teorias conspiratórias. Uns dizem que o disparo foi feito frontalmente, outros dizem que foi na parte de trás. Isso tudo alimenta mais as teorias conspiratórias;


16. Com o tempo, foram aparecendo várias teorias da conspiração em que Lee Oswald seria um membro do FBI, designado justamente a matar Kennedy por conta do fracasso em seu governo em relação aos acontecimentos envolvendo a Guerra Fria, principalmente em Cuba;

17. Um teórico da conspiração fala que o oficial de polícia J.D. Tippit teria extrema semelhança com Kennedy, e por isso foi apelidado de “JFK”. Alguns teóricos dizem que Tippit foi assassinado para que seu corpo passasse pela autópsia no lugar de Kennedy, em época que não havia exames de DNA. Por isso existem alguns supostos erros no documento de necropsia do corpo do presidente;

18. A teoria de que o corpo fotografado como sendo do presidente não seria realmente o dele ganhou força depois que familiares e amigos de Kennedy afirmaram que não havia nenhuma semelhança física entre o defunto e a pessoa que eles conheceram. Na época, os parentes chegaram a dizer que Kennedy teria sido sequestrado e levado para a União Soviética;

19. Nos Estados Unidos, muito se fala que a morte de Kennedy teria sido planejada pelo então vice-presidente Johnson, que estava sendo investigado por quatro crimes federais, e seria despedido por Kennedy nas próximas campanhas eleitorais. Assim, a conspiração afirma que o único que ganharia com a morte do presidente era, justamente, o vice-presidente e companheiro de partido de JFK;

20. Uma teoria de grande vulto aponta que Lyndon Johnson decidiu organizar um atentado contra Kennedy para assumir a presidência e evitar os processos (com foro privilegiado), evitar a prisão e um possível impeachment;


21. Há ainda quem crê que Richard Nixon teve algo a ver com o assassinato de Kennedy. Segundo esses conspiracionistas, Nixon estava extremamente ressentido porque Kennedy lhe “roubou” a presidência em 1960 e ganharia as eleições de 1964, 1968 e até 1972;

22. A CIA é também frequentemente mencionada em teorias de conspiração durante as décadas de 1960 e 1970, e também esteve envolvida em várias conspirações para assassinar líderes de outros países. Somente em 1990 que a CIA parou com a política – pelo menos abertamente – de tentativas de assassinatos de líderes;

23. De acordo com alguns conspiracionistas, o ressentimento norte-americano contra Kennedy aumentou muito depois do fracasso da Crise de Mísseis em Cuba, e do fracasso ainda maior da desastrosa invasão da Baía dos Porcos, também em Cuba. Assim, anticastristas também teriam tomado parte no assassinato do então presidente dos Estados Unidos;

24. Outro ponto importante da teoria de conspiração envolvendo o assassinato de Kennedy é o possível envolvimento até mesmo da máfia italiana com seus tentáculos nas poderosas famílias estadunidenses. Isso porque durante a governança de Kennedy, houve vários comitês de investigação para cortar os laços da máfia nos EUA, que poderiam comprometer vários políticos e pessoas importantes da mídia;

25. Mais um ponto é que o governo israelense não estaria contente com as pressões que Kennedy exercia contra seu programa nuclear secreto, além de uma possível simpatia do Kennedy para com os árabes e a questão palestina. O governo israelense chegou a reclamar que em vários departamentos havia ex-membros do Nazismo;


26. Uma outra teoria menciona que os grandes bancos norte-americanos fizeram uma emissão de um bilhão de dólares em ouro para financiar uma campanha contra Kennedy, depois da desmoralização global frente o comunismo e a Guerra Fria em geral, e esse plano culminou no assassinato do então presidente quando percebeu-se que sua popularidade não parava de crescer;

27. O que comprovaria a teoria da conspiração é que o carro presidencial daquele fatídico dia tinha espaço para dois agentes na parte traseira do veículo e mais dois nas laterais, formando uma espécie de “escudo humano”. Neste dia, nenhum dos quatro agentes estava em seus postos;

O que podemos dizer é que as teorias conspiratórias envolvendo o presidente John Kennedy estão envoltas em muitos mistérios que duas CPI’s, nos Estados Unidos, não conseguiram elucidar totalmente, o que fez o mistério aumentar ainda mais. Atualmente, essas teorias conspiratórias são conhecidas como lendas urbanas ou parte do folclore estadunidense. O maior problema é que durante toda a sua história, o governo norte-americano esteve envolto em gravíssimas conspirações contra governos e soberanias de territórios estrangeiros e outros países, por isso cidadãos norte-americanos até hoje creem no envolvimento de suas instituições no assassinato de um presidente que tinha enorme popularidade entre o povo comum, mas tinha feito grande “vergonha mundial” frente a União Soviética e Cuba no auge da Guerra Fria (1945-1991).