sábado, 26 de outubro de 2013

Debatendo sobre o famoso “rosto de Marte”: fato ou farsa?

Com certeza você já deve ter visto a imagem e ouvido falar sobre o famoso “rosto de Marte(foto abaixo), mas provavelmente você nunca parou para saber o que as pessoas especialistas no assunto pensam sobre isso, tanto quem crê, como quem não crê na obra de seres inteligentes neste “rosto”. Na realidade, muito provavelmente, você sequer deve imaginar que existem “dois rostos” no planeta vermelho! O post de hoje tenta trazer algumas informações com base na ciência sobre o “rosto marciano”; portanto tenha um bom conhecimento e uma ótima leitura!


Na verdade, este “rosto” da foto acima localiza-se na Cydonia Mensae, uma região em Marte localizada no hemisfério norte daquele planeta, numa zona de transição entre a parte sul, densamente povoada de crateras e planícies. Alguns planetólogos acreditam que as planícies setentrionais podem ter sido leito oceânico em algum momento da história do planeta e que Cydonia pode ter sido uma zona costeira (ainda que essa tese permaneça incerta). A região de Cydonia é repleta de inúmeras mesas, algumas das quais atraem tanto interesse científico quanto popular.

O “rosto” de Marte...
Uma das mesas de Cydonia, situada na latitude 40°75’ norte e longitude 9°46’ oeste, possui uma interessante aparência de uma face humanoide sobre Marte, revelada em uma foto tirada pela sonda Viking 1 em 25 de julho de 1976. Essa possível descoberta foi feita independentemente por dois engenheiros computacionais do Goddard Space Flight Center, da NASA, Vincent DiPietro e Gregory Molenaar.


Enquanto vasculhavam alguns arquivos da NASA, ambos descobriram duas imagens arquivadas erroneamente; eram filmes da Viking 35A727 e 70A13. Quando as imagens foram originalmente adquiridas em 1976, o chefe da Viking, Gerry Soffen, descreveu a “face” na imagem 35A72 como “um truque de luz e sombra” que “desapareceu horas mais tarde”. No entanto, a segunda imagem da “face”, 70A13, foi capturada pela Viking após orbitar o planeta 35 vezes depois de ter tirado a primeira foto, com um “ângulo solar” diferente da imagem 35A72.

Isso fez com que começassem a surgir as teorias da conspiração de que a NASA estaria escondendo a verdade sobre o passado do planeta vermelho, que poderia já ter abrigado uma civilização avançada, que acabou migrando para a Terra. Isso se torna mais forte ainda a partir do instante que próximo ao “rosto”, na região de Cydonia há algumas formações rochosas que fazem lembrar as Pirâmides do Egito (foto abaixo). Vale lembrar que estamos nos referindo à década de 1970, época da Guerra Fria, período em que os Estados Unidos fecharam seus acervos com medo da espionagem soviética, enquanto o inverso também acontecia. Neste período ocorreram ao redor do mundo centenas de supostas abduções, avistamentos, contatos diretos etc., e por isso a teoria do “rosto marciano” se espalhou rapidamente entre a mídia de forma sensacionalista e a comunidade científica de um modo generalista, uma vez que era preciso investigar a fundo essa evidência explosiva.


Alguns comentadores – especialmente Richard Hoagland – acreditam que tal formação possa ser a evidência de uma civilização inteligente em Marte, extinta há muitos milhares de anos, junto a outras formações, tais como aparentes pirâmides, às quais fariam parte de cidade arruinada. Análises de imagens das antigas imagens da Viking levaram alguns pesquisadores a sugerir que as formações humanoides em Marte podem não ser uma consequência acidental do ponto de vista geológico.

No calor do debate, entre os anos de 1970 e 1980 houve uma série de teorias publicadas entre astrônomos, físicos, geólogos, astrofísicos, ufólogos e até mesmo médiuns que diziam fazer contato com povos de outras galáxias. Houve uma série de outros comentadores que contestavam tais afirmações de civilização avançada em Marte, e que tudo não passaria de um ponto de jogo entre luz e sombra, formando uma coincidente formação, já que no cérebro humano somos tentados a encontrar “rostos” onde não há, e isso está psicologicamente comprovado.

No próprio planeta Terra, por exemplo, temos inúmeras formações rochosas curiosas. Na região onde vivo, em Teresópolis, no Rio de Janeiro, temos várias montanhas que poderíamos dizer que foram formadas por “vidas inteligentes” pelo próprio aspecto geológico da formação das mesmas; nas fotos abaixo temos, respectivamente, o Dedo de Deus e a Mulher de Pedra como tais referências do que afirmo.



No entanto, hoje é geralmente aceito que tudo não passa de uma ilusão de ótica, luzes e sombras, um exemplo do que chamam de “pareidolia”. Após análises de dados de alta resolução da Mars Global Surveyor, a NASA declarou que “uma análise detalhada das múltiplas imagens dessa formação revela uma típica montanha marciana que aparenta ilusoriamente uma face humana dependendo do ângulo de visão e da iluminação”. Ilusões óticas similares podem ser encontradas na geologia da Terra; um exemplo é a Badlands Guardian (foto abaixo), que lembra uma cabeça humana vestida com um adorno nativo americano.


Originalmente, dezoito imagens da região de Cydonia Mensae foram capturadas pelas sondas Viking 1 e Viking 2, mas apenas sete possuíam resoluções melhores que 250 megapixels. As outras onze imagens possuem resolução pior que 550 megapixels e são virtualmente inúteis para o estudo dessa formação. Das sete imagens úteis, a iluminação e o tempo em que dois pares de imagens foram tirados são tão próximos que o número de imagens distintas úteis são reduzidas a cinco.

Desde setembro de 2006, uma sucessão de novos dados da região da Cydonia tem sido publicados pela Agência Espacial Europeia e pela equipe do HiRISE. Essas imagens incluem fotografias tiradas pelas sondas Mars Express e Mars Reconnaissance Orbiter, e uma animação em 3D “Face on Mars”, usando uma combinação de dados digitais da High Resolution Stereo Camera (HRSC) da sonda Mars Express e da Mars Orbiter Camera (MOC) acoplada na sonda Mars Global Surveyor da NASA. Em contraste com a relativamente baixa resolução das imagens da Viking de Cydonia, essas novas plataformas permitem uma resolução muito melhor. As imagens da Mars Express possuem uma resolução de 14 megapixels, ou melhor que isso.

À parte as especulações envolvendo a suposta origem artificial, Cydonia e o “rosto de Marte” aparecem frequentemente na cultura popular, incluindo filmes, séries de televisão, videogames, gibis, e mesmo músicas. O astrônomo Carl Sagan foi um grande crítico da especulação em torno do “rosto” em um capítulo de seu livro “O mundo assombrado por demônios”.


A “cratera do sorriso” em Marte...
A Cratera Galle é uma cratera de impacto, localizada na borda oriental da bacia de impacto de Argyre Planitia. Ela recebeu este nome em homenagem ao astrônomo Johann Galle. Mas o mais interessante desta cratera é a sua formação geológica, o que faz com que ela seja popularmente conhecida como “a cratera do rosto feliz” ou “a cratera do smile”, devido à ilusão de um smile que é criada por uma cadeia de montanhas semicircular e duas crateras menores no interior da própria cratera.


Essa formação foi fotografada pela primeira vez pelo orbitador Viking 1. Como o smile é um motivo no gibi “Watchmen”, de Alan Moore e Dave Gibbons, a cratera foi utilizada como cenário após Gibbons ter notado a coincidência. De acordo com Gibbons, a similaridade “era boa demais para ser verdade. Eu temi que se nós a incluíssemos na história, as pessoas jamais iriam acreditar”. A cratera “verdadeira” foi mostrada em 2009 na adaptação para o cinema de “Watchmen”. Uma segunda “cratera do rosto feliz”, menor que Galle é localizada Nereidum Montes e foi descoberta pela Mars Reconnaissance Orbiter em 28 de janeiro de 2008.


De um modo geral podemos dizer que toda essa história de civilização marciana não passa de especulação. Outras sondas investigaram as tais possíveis construções, e comprovaram que se tratam de meras formações rochosas com formações curiosas, como as montanhas do Rio de Janeiro, que mostramos mais acima. O ser humano, desde o século 19, tem verdadeiro fascínio em comprovar que Marte foi um lugar habitado por seres inteligentes, que tentaram formar uma forte civilização como a do Egito Antigo, mas isso caiu por terra há muitas décadas. Entretanto, alguns grupos permanecem na teoria da conspiração, crendo em evidências folclóricas ou fisicamente impossíveis. É um assunto controverso em que cada um fica com sua verdade.