sábado, 28 de setembro de 2013

Greys: sobre os seres “mais conhecidos” da ufologia...

Segundo os estudos e levantamentos feitos pela ufologia ao longo das últimas décadas, os greys (ou grays) são seres extraterrestres que possuem como características principais: baixa estatura – até 1m30 –, cor de pele variando entre acinzentada e amendoada, pele muito lisa e sem pelos, olhos muito grandes e negros, aspecto medonho, boca fina e sem lábios, narinas mínimas, corpo desproporcionalmente pequeno e raquítico com relação ao tamanho da cabeça, braços bastante compridos e mãos como garras, com somente três ou quatro dedos, entretando possuem muita força física. De acordo com alguns ufólogos, os greys seriam uma espécie de seres interplanetários vindos do sistema Zeta Reticuli.


Os greys são comumente descritos por pessoas ao redor do mundo em casos de abdução. Geralmente são descritos como seres frios fisicamente e afetivamente, que fazem testes nestas pessoas capturadas, de maneira comum coleta de material biológico (como sangue, muco, sêmen) ou até mesmo experiências sexuais. Em quase todos os relatos coletados pela MUFON, a rede internacional de colaboradores que investigam casos ufológicos, os greys quando não são frios, também são agressivos e perigosos. Os humanos supostamente capturados por eles dizem sentir-se “pequenos”, “indefesos”, “sem forças” etc. na presença deles.

Dos tipos existentes dentro da ufologia, os greys são comumente um dos mais narrados, observados e descritos. Muita especulação existe a respeito deste assunto. Especula-se, também, sobre um possível acordo entre o governo norte-americano e os greys para fins de fornecimento de tecnologia bélica e espacial. Oficialmente, a ciência não reconhece a existência de tais seres e nem os governos mundiais, uma vez que a ciência tende a encarar as afirmações da ufologia com absoluto ceticismo.


Entretanto, os ufólogos afirmam que isso se deve a um possível programa de acobertamento da existência extraterreste, supostamente devido ao sistema de propulsão de suas naves, que, segundo relatos, são movidas a energia magnética ou água (o que acabaria com a indústria de petróleo) e para evitar que o pânico domine as sociedades mundiais, se confirmado cientificamente a capacidade de tais seres chegarem até a Terra através de suas naves. As evidências de que esta espécie já tenha chegado à Terra, além é claro dos avistamentos, é o caso do gado mutilado (foto abaixo). Diversos fazendeiros ao redor do mundo alegam que estranhos casos de desaparecimento de gado ou corpos encontrados mutilados com cortes cirúrgicos precisos criam um enigma sem uma explicação plausível. Ufólogos afirmam que esta espécie usa o plasma sanguíneo ou o sangue junto com as mucosas desses animais para poderem se alimentar através de uma digestão intracelular. Por isso abandonam a carcaça do animal ainda “inteira”. Como seu sistema digestivo ficou atrofiado devido à clonagem e manipulação genética excessiva (única forma atual de se reproduzirem), eles não usam a boca para comer e sim passam essa mistura em sua pele e após a digestão celular os resíduos finais da digestão celular são eliminados também através da pele. As viagens entre estrelas duram um certo tempo (calcula-se que leva 91 dias do planeta deles da constelação Reticulum até aqui), por isso é provável que quando cheguem aqui estejam precisando de alimento então acabam usando nossos animais como fonte de alimentação.


O debate sobre esta suposição alimentar é extremamente controversa. Biólogos questionam os ufólogos: como podemos afirmar que um sistema digestório funcione de determinada maneira se jamais estudamos realmente, em laboratórios, com publicações científicas, tais mecanismos orgânicos? Os ufólogos respondem que há embasamento científico para isso, inclusive com pesquisas governamentais, mas sendo secretas não podem ser reveladas para o público de um modo geral. Para os biólogos, por exemplo, seria como deduzirmos como é o sistema de digestão alimentar do camarão sem jamais termos estudado em laboratório como eles se alimentam e eliminam os excrementos. Por isso esse assunto ufológico cai na graça e na descrença alheia.

Quando se fala sobre vida inteligente fora da Terra existe uma grande divergência de opiniões porque: há quem entenda que é impossível haver vida inteligente fora do planeta; outros entendem que pode existir, mas que tal vida não poderia chegar até aqui devido às grandes distâncias do universo; a última acredita que eles existem e que podem, sim, chegar até nosso planeta com suas naves. Casos ao redor do mundo sobre a aparição destes seres são geralmente refutados pela ciência, equiparando esses tipos de seres a seres mitológicos, existentes apenas no imaginário das pessoas. De acordo com a MUFON, 98% dos casos de avistamentos de aliens e discos voadores são erros de identidades que podem ser explicados porque os observadores fizeram confusão mental ou visual.

Porém, esse assunto é muito intrigante, uma vez que pessoas pelo mundo todo descrevem experiências relativas e muitas necessitaram até mesmo de ajuda psicológica para superar o trauma que descrevem no hipotético contato com os referidos seres. Muitos ufólogos e teóricos da conspiração acreditam que estes seres há milhares de anos modificaram geneticamente um ancestral comum aos humanos, que resultou na evolução destes ancestrais até chegar ao Homo sapiens. Daí se explicaria o elo perdido de nossa evolução.


Certamente nada pode ser provado, mas relatos ao redor do mundo, de pessoas de culturas muito diferentes descrevem fatos referentes à abdução semelhantes e nos fazem refletir sobre estes possíveis visitantes. O que eles querem de nós? Embora a ficção científica costume abordar temas de guerra entre nós humanos e seres extraterrestres, muitos ufólogos acreditam que eles só nos aceitariam como mais uma civilização no universo, no nosso caso, bem primitiva, e que haveria várias e várias civilizações espalhadas por aí, que se relacionam por diplomacia, rotas comerciais ou até mesmo guerra.

Enfim, há relatos de abduções ao longo de nosso planeta, inclusive de pessoas respeitadas e acima de qualquer suspeita que nos deixam em dúvida. Estariam as grandes nações encobrindo algo? De acordo com o estudioso Alex Collier, que afirma ter contactado seres extraterrestres, os greys alimentam-se da energia vital que irradia do corpo humano e não possuem qualquer tipo de sentimento. Ainda segundo Alex, a influência dos greys no nosso planeta é malígna, ele diz: “A agenda grey é criar uma raça de escravos que está atualmente em pleno andamento para fins de controle, serviços físicos e trabalho, aquisição da energia sexual como uma fonte de material alimentar, para mais experimentos híbridos e como material biológico”.

Outros estudiosos afirmam que o que eles não possuem são emoções, que são primitivas. Sentimentos como amor e compaixão fazem dos pequenos greys verdadeiros guardiões da raça humana. Por outro lado, inúmeras pessoas dentro dos círculos ufológicos estão de acordo que se trata de uma raça escravizada por outro conjunto de raças extraterrestres. Esses foram nomeados “Grupo de Órion” e “Alfa Draconianos”. O escritor e pesquisador Valdamar Valerian ficou bastante conhecido nos anos 90 por disseminar essas ideias junto a Alex Collier. Esses e tantos outros pesquisadores do tema dizem que existem várias subespécies grey. Os originais, Zeta Reticuli 2, seriam aqueles altos e brancos, enquanto que os pequeninos são aqueles modificados geneticamente para fazerem o trabalho duro, principalmente em atmosferas de oxigênio. São clones sintéticos ou qualquer coisa do gênero.


A história dos greys, e, principalmente, o que envolve as supostas abduções e relações bizarras com o planeta Terra ainda se chocam arduamente entre o cientificismo cético e o que a ufologia se propõe a estudar e a entender. Para muitos físicos e astrônomos, esses seres não passam de uma espécie de lenda urbana criada logo após os ocorridos em 1947, em Roswell.