quinta-feira, 4 de julho de 2013

Você conhece o significado histórico e social dos símbolos da maçonaria? Então vamos entender!

A maçonaria é uma das instituições mais debatidas e controversas da história da humanidade, cheia de “ocultismos”, “boatos”, “falações” etc. Um dos pontos mais importantes dela tem sido a sua própria simbologia, seus rituais, seus instrumentos de trabalho, dentre outros. Imagens e símbolos, que segundo Carl Gustav Jung, fazem os humanos fundamentalmente terem uma tendência para sensibilizar-se com certas imagens ou símbolos que constelam sentimentos profundos de apelo universal – os arquétipos, que ajudam os maçons a aprenderem os conceitos, gravando-os em suas mentes, para futuras associações.

Segundo Albert Pike, importante maçom do século 19, os tais símbolos maçônicos ocultariam e não revelam os seus ensinamentos, importando revelar somente ao iniciado, e dependendo do grau em que este se encontra o nível de revelação; não sendo, entretanto, uma opinião compartilhada por muitos maçons. Diversos são os símbolos que a maçonaria apresenta aos maçons, distribuídos pelos diversos graus que compõem os chamados ritos, e cabe a eles interpretarem e apreenderem o significado dos mesmos para construir o seu caminho.

Assim, os símbolos e as alegorias fazem com que os maçons de todo o mundo se entendam, mesmo que suas línguas sejam diferentes. Seria como uma simbologia, uma linguagem de sinais, uma metodologia imagética etc. E é essa sistemática simbólica que faz com que surjam teorias da conspiração em diversos níveis.


Maçonaria na entrada da cidade...
Se você já reparou que na estrada que dá acesso à entrada da sua cidade há um símbolo maçom já é uma importante dica para viajantes maçons de que naquela localidade há uma comunidade maçom ativa, e caso necessite de ajuda, você será ajudado. O símbolo do esquadro e do compasso em um monumento na entrada da cidade serve como referência simbólica de que o maçom não se sentirá perdido ou sozinho.

Esquadro e compasso...
A imagem do esquadro e do compasso é um dos símbolos que mais identificam a maçonaria. Ambos são ferramentas do arquiteto e utilizados em rituais maçônicos como emblemas simbólicos para ensinar as lições. Algumas lojas e rituais explicam estes símbolos como lições de conduta: por exemplo, os maçons devem enquadrar as suas ações pelo quadrado da virtude e aprender a circunscrever os seus desejos e manter as suas paixões, dentro dos limites, para toda a humanidade.

Na maçonaria, o esquadro simboliza a retidão, ou a integridade de carácter, limitada por duas linhas: na horizontal e na vertical. Na horizontal, representa a trajetória a percorrer na Terra, ou seja, na vida terrena, no campo físico. Na vertical, representa o caminho sem fim, que conduz até Deus. O compasso, por sua vez, simboliza o equilíbrio, a justiça, a vida correcta. Como instrumentos de medição, as ferramentas representam o julgamento e o discernimento. Os círculos traçados com o compasso representam as lojas.

O esquadro e o compasso simbolizam também a materialidade do homem e sua espiritualidade. Quando juntos e na sua apresentação representam, respectivamente, e dependendo de como se arrumam as lojas, e os trabalhos e ritual de aprendiz, companheiro ou mestre.


As colunas na maçonaria...
As colunas são o símbolo dos limites do mundo criado, da vida e da morte, do elemento masculino e do elemento feminino, do ativo e do passivo. Estas são também representações físicas das duas colunas da entrada do Templo de Salomão. As colunas são importantes porque seriam representações do sustentáculo do céu e da terra, onde os seres humanos vivem e fazem suas relações econômicas, sociais, filosóficas etc.


O avental na maçonaria...
O avental é um dos elementos principais das insígnias maçônicas, sendo o símbolo do trabalho. O avental é, invariavelmente, de pele. Branco para os aprendizes e companheiros, branco orlado de vermelho ou azul celeste (de acordo com a potência da loja simbólica ou com o rito praticado) para os mestres. É, geralmente, composto por um retângulo – mas pode mudar de forma para um hexágono e para semicírculo, alusivo à forma do Templo de Salomão, a que se sobrepõe uma abeta triangular. A abeta no primeiro grau (aprendiz) encontra-se levantada enquanto que nos demais graus encontra-se dobrada para baixo. No segundo grau a aba é abaixada com entrada no grau de companheiro maçônico, onde o mesmo começa a percorrer caminhos mais esotéricos. As cores do retângulo, as suas dimensões e decorações variam com os graus, as funções, os ritos, as obediências e a própria história.


A estrela de cinco pontas na maçonaria...
Sendo a estrela do oriente, ou a estrela iniciação, é para os maçons cristãos a que simbolizou o nascimento de Jesus; para estes é o símbolo do homem perfeito. As estrelas representam as lágrimas da beleza da criação. Representa o homem nos seus cinco aspectos: físico, emocional, mental, intuitivo e espiritual. Totalmente realizado e uno com o Arquiteto do Universo.

É o homem de braços abertos, mas sem virilidade, porque dominou as paixões e emoções. Na maçonaria e nos seus templos, a abóbada celeste está adornada de estrelas. É o emblema da paz, do bom acolhimento e da amizade fraternal. Apresentando ligação com os cinco elementos encontrados dentro de um homem, e que constituem o microcosmo, que são: fogo, terra, ar, água e éter (este sendo uma substância relacionada ao espírito), a estrela apresenta uma variedade de nomes como: pentagrama, pentalfa, estrela rutilante etc.

A importância da letra “G” na maçonaria e em seus símbolos...
A letra “G” é a sétima letra do alfabeto latino e apresenta diversos significados. O número sete por si só já tem um significado muito forte na cultura do Ocidente. (1) Geometria: é fundamento da ciência positiva, simbolizando a ciência dos cálculos, aplicada à extensão, à divisão de terras, de onde surge a noção da parte que nelas a nós compete, na grande partilha da humanidade e dos direitos da terra cultivada; (2) Gnose: é o mais amplo conhecimento moral, o impulso que leva o homem a aprender sempre mais e que é o principal fator do progresso; (3) Gravitação: é a força primordial que rege o movimento e o equilíbrio da matéria; (4) Gração: é a vida perpetuando a série dos seres. Força criadora que se acha no centro de todo ser e de todas as coisas; (5) Gênio: é a inteligência humana a brilhar com seu mais vivo fulgor; (6) Grandeza: o homem, a maior e mais perfeita obra da criação; (7) Gimel: uma palavra hebraica, entende-se os deveres do homem para Deus e os seus semelhantes.


A acácia como símbolo maçom...
A acácia é a planta símbolo por excelência da maçonaria, sendo utilizada pelos mestres maçons como sinal de identificação. Representa a segurança, a clareza, e também a inocência ou pureza. A acácia foi tida na Antiguidade, entre os hebreus, como árvore sagrada. Os antigos costumavam simbolizar a virtude e outras qualidades da alma com diversas plantas. A acácia é inicialmente um símbolo da verdadeira iniciação para uma nova vida, a ressurreição para uma vida futura.


Outros símbolos maçônicos importantes...
Malhete: pequeno martelo de madeira, emblema da vontade ativa, do trabalho e da força material, instrumento de direção, poder e autoridade;
Pavimento xadrez: composto por quadrados pretos e brancos, com que devem ser revestidos os templos ou o centro destes são o símbolo da diversidade do globo e das raças, unidas pela maçonaria e da oposição de diversos contrários, bem e mal, espírito e corpo, luz e trevas;
Pedra bruta: símbolo das imperfeições do espírito que os maçons devem procurar corrigir, e também da liberdade total do aprendiz e dos maçons em geral;
Cinzel: representa o intelecto e sugere o trabalho inteligente. Instrumento do grau de aprendiz. Simbolicamente, serve para desbastar a pedra bruta da personalidade.