quinta-feira, 20 de junho de 2013

Arco-íris “diferentes” e halos de luz: ilusões de ótica que causam erros de identidade, mas embelezam o céu...

Uma das coisas mais interessantes da natureza é o arco-íris e tudo que vem detrás dele, como as teorias de ótica da Física. Pequenas gotículas de água formam um espetáculo de beleza único, e ninguém fica imparcial diante de um arco-íris. Entretanto, para quem não conhece, a Física Ótica pode nos aprontar peças de ilusões muito interessantes, e isso pode confundir as pessoas sem conhecimento de causa, alegando serem fenômenos bizarros, paranormais ou extraterrestres.

De acordo com a MUFON, a rede mundial de investigação de fenômenos ufológicos, muitos dos casos de avistamentos são erros de identificação ordinários, causando confusões em fenômenos logicamente naturais, como as ilusões de ótica que vamos apresentar no post de hoje. Aliás, ilusões interessantíssimas!

Depois de ler este post, logicamente que o caro leitor estará mais bem preparado quando observar tais fenômenos óticos, lembrando que são embelezamentos da natureza que nos proporcionam tais visões. Ou seja, não há nada de anômalo ou paranormal, mesmo que digam o contrário. São fenômenos óticos da Física e podem ocorrer em quase todos os lugares, a todo tempo e instante.


Halo de 22°...
Um halo de 22 graus (foto abaixo) é um fenômeno ótico, formando um círculo de 22° em torno do Sol ou da Lua. Ele é formado por milhões de cristais de gelo, que refratam a luz, formando um halo bem largo. No folclore inglês, os halos de Lua avisariam a aproximação de fortes tempestades. Há um fenômeno ótico parecido conhecido como “Corona”, que veremos adiante.


Arco circumhorizontal...
Também é conhecido como “arco-íris de fogo(foto abaixo). É um halo similar em aparência a um arco-íris comum, só que é horizontal. Causa muita estranheza em quem o vê, por isso é tão confundido com fenômenos alienígenas, misteriosos e paranormais. Ele se diferencia também por ser causado pela refração através de cristais de gelo, ao invés de refração através de água líquida, como no arco-íris comum.



Arco circumzenital...
Também conhecido como “arco de Bravais” ou “sorriso do céu(foto abaixo), é um fenômeno ótico similar na aparência de um arco-íris, mas surge da refração da luz solar através de cristais de gelo orientados horizontalmente. O arco se forma não mais do que um quarto de um círculo centrado sobre o zênite (o ponto mais alto do céu). As cores são de azul no interior para vermelho no lado de fora do arco. As cores são mais puras do que as de um arco-íris, porque há uma sobreposição de cores muito menos na sua formação. A primeira impressão é a de um arco-íris de cabeça para baixo. Raramente é notado porque ocorre no topo do céu, próximo ao Sol, mas na verdade é relativamente comum.


Nuvem iridescente...
A chamada nuvem iridescente (foto abaixo) é a ocorrência de cores em uma nuvem semelhante às observadas nas poças de óleo, e é semelhante à irisação. É um fenômeno bastante incomum, e por isso quando ocorre chama tanto atenção das pessoas, associando a fenômenos ufológicos; mas sempre é um espetáculo muito mais interessante que avistar um arco-íris depois de uma tempestade. As cores são geralmente de tom pastel, mas podem ser muito vívidas, dependendo do dia.



Corona meteorológica...
Na meteorologia e na física, a coroa é produzida pela difração da luz do Sol ou da Lua por pequenas gotículas de água, ou às vezes minúsculos cristais de gelo. A coroa consiste em pequeno número de anéis concêntricos coloridos ao redor do objeto celeste e uma auréola brilhante no centro. O tamanho angular da coroa depende dos diâmetros das gotículas de nuvem – pequenas gotículas produzir coronas grandes, por exemplo. Pela mesma razão, a coroa é mais clara quando o tamanho das gotículas é mais uniforme. As coronas diferem-se dos halos porque estes são formados por refração (em vez de difração) de dimensão relativamente grande, em vez de pequenos cristais de gelo. Cores avermelhadas sempre ocupam a parte exterior do anel da corona.

Pó de diamante...
Pó de diamante (foto abaixo) é uma espécie de nuvem de pequeníssimos cristais de gelo que se formam perto do solo. Geralmente ocorre quando a temperatura fica abaixo de zero grau por mais de cinco dias. O fenômeno é bem semelhante a uma ventania de terra, de poeira, mas é composto de gelo e, quando o dia está claro, causa um efeito ótico bem interessante, semelhante a pequenos diamantes voando. Por ser muito fino e delicano, o pó de diamante é muitas vezes notado pela primeira vez por breves lampejos causados quando os minúsculos cristais, caindo através do ar, refletem a luz solar.


Falso pôr-do-sol...
Um falso pôr-do-sol é um tipo muito particular de fenômeno físico, pertencente à família dos halos. Trata-se de um fenômeno atmosférico ótico associado à reflexão ou refração da luz solar por pequenos cristais de gelo que compõem nuvens cirrus ou cirrostratus, quando o Sol ainda está abaixo do horizonte. Por conta da distância, parece que há um pôr-do-sol, o que na realidade não é verdade.





Buraco meteorológico...
O buraco meteorológico, ou “glória do Senhor(foto abaixo), é um fenômeno ótico que se assemelha a uma auréola de santo sobre a sombra da cabeça do observador. Também pode acontecer em túneis, causando um efeito extraordinário. O buraco meteorológico só pode ser visto quando o observador está diretamente entre o Sol e a nuvem de refração; por isso, é comumente observado no ar. Este é um dos fenômenos óticos da Física mais estudados atualmente, porque ainda não há um consenso sobre como ele é formado.




Flash verde...
O flash verde, ou raios verdes, (foto abaixo) é um fenômeno ótico que ocorre logo após o pôr-do-sol, ou antes do amanhecer, quando uma mancha verde é visível, geralmente por não mais do que um ou dois segundos, acima do Sol. Flashes verdes são um grupo de fenômenos decorrentes de causas diferentes, e alguns são mais comuns do que outros. Um flash verde pode ser observado a partir de qualquer altitude (até mesmo de um avião). Ele geralmente é visto em um horizonte sem obstáculos, como sobre o oceano.


Halo ótico...
Um halo é um fenômeno ótico produzido por cristais de gelo, criando arcos coloridos ou brancos e manchas no céu. Eles se formam em torno do Sol ou da Lua, mas também podem se formar em torno luzes artificiais em tempo muito frio quando cristais de gelo, chamados pó de diamante, estão flutuando no ar nas proximidades. Existem muitos tipos de halos de gelo. A forma particular e orientação dos cristais é responsável para os tipos de halos observados. A luz é refletida e refratada por os cristais de gelo e podem dividir-se em cores devido à sua dispersão. Os cristais se comportam como prismas e espelhos, refletindo e refletindo a luz solar.


Pilar de luz...
Um pilar de luz é um fenômeno visual criado pelo reflexo da luz a partir de cristais de gelo, perto de superfícies planas. A luz pode vir do Sol, caso em que o fenômeno é chamado de “pilar solar”. Ele também pode vir da Lua ou de fontes terrestres, tais como iluminação pública. Por várias vezes os pesquisadores da MUFON desmistificaram mitos de luzes misteriosas, uma vez que estas eram simples pilares de luz que não haviam sido explicados, mas filmados ou fotografados como fenômenos bizarros sem identificação. É mais um fenômeno interessante que pode ser observado quase frequentemente.




Parélio...
Um círculo parélio (foto abaixo), também conhecido como “sun dog”, é um halo, um fenômeno ótico que aparece como uma linha horizontal branca na mesma altitude como o Sol ou a Lua. Às vezes o parélio causa um impressionante fenômeno que parece haver três sóis no céu. Os parélios são geralmente de cor branca, porque eles são produzidos por reflexão, mas podem, no entanto, apresentar um tom azulado ou esverdeado.


Como observamos neste post, a natureza pode nos proporcionar vários truques óticos que a Física vem estudando, junto com a meteorologia, há muitos séculos. Estes fenômenos causam espanto e curiosidade no ser humano que, por isso, costuma associá-los a entidades ufológicas e/ou paranormais. Portanto, se você observar no céu uma nuvem iridescente, por exemplo, não fique assustado; trata-se de mais um espetáculo da natureza em frente dos nossos olhos! Para ver mais fotos espetaculares destes fenômenos físicos basta buscá-los particularmente no Google Imagens, sem falar que há outros interessantíssimos que não citamos aqui neste post.