sábado, 18 de maio de 2013

Mitos, curiosidades, fatos e farsas (20)

Ao longo da história as sociedades passaram inúmeros mitos e curiosidades que foram – e ainda são – encarados como fatos. No entanto, não passam de folclores que escondem farsas incríveis e bastante inventivas. Vamos, então, descobrir um pouco delas? Voilà!

Como surgiu a expressão “gay” para o homossexual masculino?
A palavra tem origem no alemão medieval “gähi”, o mesmo que “alegre”, “vistoso”, “aquele que gosta de aparecer”. No século 17, na Inglaterra, que passou para o sentido sexual da palavra: prostituta (gay woman), um namorador (gay man) ou bordel (gay house). No início do século 19 é que a palavra, definitivamente, passou a significar o homossexual do sexo masculino.


De onde se inspirou o movimento gótico atual?
Gótico” tem a ver com os godos, que eram povos do norte da atual Alemanha. No início da Idade Média foram se espalhando por toda Europa e se misturando ao Império Romano já em decadência. Para os romanos cidadãos nascidos no Império, os godos eram bárbaros, uma vez que não conheciam as regras de vivência daquela sociedade. Foi com esse tom preconceituoso que no século 14 os artistas do Renascimento italiano chamaram de gótica, com sentido de péssimo gosto, a arquitetura dos godos. No século 18 o estilo chegou à literatura e teve seu auge no século 19, com romances ambientados em castelos góticos – frios e sombrios. Na década de 1980 o movimento gótico surgiu assim: considerado bárbaro para a sociedade da época, sombrio, com pessoas pálidas etc.

De onde vem a expressão “holocausto”?
Originalmente é grega, e não hebraica. “Ólos” (inteiro), “Káuthos” (queimado). Designava o sacrifício em que a vítima ofertada a um deus era totalmente queimada. Com o tempo, holocausto passou a designar qualquer tipo de sacrifício. Por fim, passou ao sentido atual: o massacre de seis milhões de judeus em campos de concentração durante a Segunda Guerra Mundial.


Qual a origem da palavra “imbecil”?
Surgiu ainda no Império Romano com o latim “imbecille”, que significava “fraco”, “incapaz”. É a formação de “Im” (sem), “Bacillu” (cajado). Ou seja, sem sustentação, incapaz. No século 16 os franceses chamavam as mulheres de “sexo imbecil” porque acreditavam que elas precisavam de um homem (o pai ou o marido) para se sustentarem ao longo da vida. No século 18, também na França, que imbecil voltou ao termo romano, de fraco, incapaz.

Por que o time da última posição na tabela é o lanterna da competição?
Tudo começou em 1903, quando os franceses passaram a promover grandes competições de ciclismo ao redor do país, hoje o Tour de France. O último colocado era maldosamente chamado de “lanterne rouge” (lanterna vermelha) porque só via na sua frente as lanternas dos seus concorrentes. Chamar o último colocado de lanterna chegou a Portugal e, assim, ao Brasil.

O ato de linchar alguém tem a ver com um homem específico?
A palavra veio do sobrenome de William Lynch (foto abaixo), um fazendeiro e juiz de paz do estado norte-americano da Virgínia. No começo do século 19, Lynch estabeleceu, por conta própria, um tribunal privado para julgar sumariamente criminosos e suspeitos. Seu método foi conhecido como “lei de Lynch” e acabou originando o verbo em inglês “to lynch”, o mesmo que para nós “linchar”.


O que uma pessoa maluca tem a ver com geografia?
Tudo teve início na atual Indonésia, onde há as Ilhas Malucas (ou Molucas). Em 1512 os portugueses lá chegaram e em 1570 começaram a ter problemas sérios com os nativos, os chamados “malucos”. Os tais habitantes locais se recusavam ao colonialismo europeu e, assim, em Portugal, “maluco” ganhou o sentido original de homem feroz e contra as “regras sociais vigentes”.