quinta-feira, 2 de agosto de 2012

A história dos rostos de fantasmas no chão da cozinha...

Numa manhã de agosto de 1971, na cidade de Bélmez, no sul da Espanha, encontravam-se sentados na cozinha da sua casa uma mulher já bastante idosa e o seu neto, uma criança de sete anos, quando ele descobriu, com muita alegria, uma nova e divertida brincadeira. A tal brincadeira aterrorizou a idosa, extremamente mística e supersticiosa, além de várias pessoas da comunidade científica que não haviam encontrado resposta para o tal fenômeno da cozinha da pobre casa.

A criança havia descoberto um rosto humano que se imprimira espontaneamente no chão da cozinha – um rosto com expressão de angústia. Não se encontrou nenhuma espécie de pigmentação no tijolo, e os moradores, receosos, tentaram removê-lo quando o desenho se acentuou mais ainda. Alarmado pelas figuras que apareceram na cozinha – eram cinco –, o marido da idosa removeu os tijolos e substituiu por cimento. No entanto, três semanas depois, surgiu um novo rosto impresso no novo pavimento.



O estranho fenômeno ganhou a Espanha e chegou a ser noticiado por jornais sensacionalistas por toda a Europa. As autoridades de Bélmez decidiram remover a família da casa, arrancar o chão de cimento e iniciar uma investigação oficial a fim de acabar com a boataria. Teve, então, início uma escavação que descobriu as ruínas de um cemitério medieval e outros rostos apareceram em partes diferentes da casa, que já ganhava a fama de ser residência fantasma.

A histeria por conta dos rostos no chão da casa fez com que começassem a surgir histórias de fantasmas, ruídos, aparições. Mas da mesma forma como apareceram de repente, também sumiram sem nenhuma explicação. Os cientistas cogitaram a possibilidade de ter sido uma farsa forjada pela família habitante da residência, mas mesmo quando ela saiu do imóvel, o fenômeno permaneceu.

Diante do impasse dos rostos de Bélmez, parapsicólogos visitaram o espaço da vila e fizeram uma sessão de EVP na residência. Recentemente, escrevi um post que explica o que é uma EVP. Leia clicando aqui. De acordo com os acervos dos pesquisadores, as gravações teriam captado murmúrios e choros, além de algumas falas em idioma medieval.



Até hoje a aldeia de Bélmez é visitada por místicos, cientistas e parapsicólogos que procuram conhecer o local onde os misteriosos rostos apareceram e sumiram. A ciência ainda tenta explicar o que o senso comum acredita ser fenômeno sobrenatural.